Você sabe o que são gatilhos emocionais? Pode acontecer em algumas situações sentirmos aperto no peito, desespero ou nó na garganta e não entender porque nosso corpo está tendo essa resposta.

Sim, você está sendo vítima de um gatilho emocional! O problema é que na maioria das vezes não conseguimos identificar a natureza desse vilão ou como reagir a ele.

Os gatilhos são qualquer forma de estímulo que trazem uma certa emoção à tona. 

Por exemplo, recentemente atendi uma cliente que tinha bloqueios com a língua inglesa e autoconfiança. Estava tudo relacionado, o sentimento de não estar pronta o suficiente ou de não acreditar em si mesma. Muitas das vezes o gatilho era o simples fato de pensar em se comunicar.

 

O que é são gatilhos emocionais?

O gatilho emocional é uma resposta que o nosso corpo tem a determinada situação, na maioria das vezes sem um motivo que consigamos entender com clareza.

Pode ser, por exemplo, quando temos uma sensação ruim ao lidar com uma pessoa que foi abusiva, pode estar relacionado a um medo ou trauma.

Contudo, nem sempre o gatilho é algo negativo, já que alguém que vê uma imagem de um sorvete na tv e sente vontade de comê-lo também está cedendo ao gatilho.

O mais importante, é que possamos saber identificar esses gatilhos para entender quando deixá-los entrar ou mandá-los embora.

 

Como são criados os gatilhos emocionais?

Na psicologia, podemos entender os gatilhos emocionais como reforços positivos ou negativos (behaviorismo). Frederic Skinner, foi um dos primeiros cientistas a estudar isso com ratos.

Com ratos? Sim, porque os gatilhos estão relacionados a nossas partes mais primitivas do cérebro, ao instinto de sobrevivência.

Nos experimentos, Skinner percebeu que ratos que eram colocados em jaulas com um botão de choque, até apertavam algumas vezes, mas começavam a temê-lo e criar rotas na gaiola.

O mesmo foi visto no experimento com macacos em que um cacho de bananas era deixado no criadouro, mas um jato d’água era emitido para quem se aproximava das bananas. Ou seja, mesmo sendo algo desejável, os animais evitavam devido ao perigo envolvido.

Estes gatilhos quase nunca são formados quando acontece apenas uma única vez, tem que haver a repetição.

Em nós, isso pode ser representado por medos que são colocados desde a infância e podem nos paralisar em frente aos nossos objetivos.

 

Crenças limitantes e como nossa família ajuda a construir limitações

Lev Vygotsky é um dos mais conhecidos autores da área da psicologia. Em seus trabalhos, ele entendeu que o meio social influencia totalmente em como uma criança vai se desenvolver.

Isso é muito importante para entender como a família ajuda a criar gatilhos emocionais. Se você tem pais agressivos, pode acabar com traumas que ficam em seu subconsciente.

Inclusive é a abordagem na terapia que utilizo e quem tem mais eficiência em resultado seja qualquer que seja o problema emocional relatado. 

Já pais ausentes podem influenciar em pessoas mais carentes, porém, é necessário analisar cada caso para entender a origem.

Entretanto , conseguimos identificar mais rapidamente as crenças limitantes da família: homem não presta, dinheiro não traz felicidade, artista é pobre, políticos são todos ladrões, você nunca vai ser alguém na vida

Todas essas são frases que pouco a pouco vão infectando nosso inconsciente e criando não somente gatilhos emocionais negativos, mas limitações pro resto da vida.

 

Sintomas que ajudam a identificar um gatilho emocional:

Se você não tem certeza se tem um gatilho emocional, há alguns sintomas que podem ajudar você a levantar a bandeira vermelha, considere:

 

  •     Pensamento confuso.
  •     Crises de ansiedade.
  •     Medo sem explicação.
  •     Suor e tremores.
  •     Sensação de vazio interno.
  •     Sentimento de inferioridade ou de não se encaixar em um lugar.
  •     Memórias traumáticas.
  •     Autoestima destruída.
  •     Problemas de concentração.
  •     Aperto no peito, nó na garganta, sudorese.

 

7 formas de evitar os gatilhos emocionais

Mas calma, não é porque você está sofrendo com os gatilhos emocionais que eles precisam vencer. Dá sim para mudar este cenário e voltar a ter uma vida com qualidade, veja 8 formas de evitar os gatilhos emocionais:

 

1.   Conhecendo os seus limites

Você vai sim superar seus traumas, mas no primeiro momento  precisa entender quais são eles. Se você tem medo de altura, por exemplo, não permita que ninguém o force a passar por essa situação traumática.

Então, tente listar quais momentos você costuma sentir os sintomas anteriores. Isso é vital para lidarmos com os gatilhos emocionais.

 

2.   Entendendo sua mente e seu corpo

Em segundo lugar, precisamos fazer com que a mente e o corpo estejam alinhados. Isso porque, diante dos gatilhos, a mente costuma entrar em um turbilhão e fica difícil manter o controle.

Assim, aqui a dica é fazer exercícios de respiração, meditação  e principalmente criar consciência sobre seu corpo. Exercícios físicos podem auxiliar neste processo, principalmente aqueles que unem mente e corpo, como  Yoga.

 

3.   Tratando traumas

Na sequência, precisamos tirar aqueles traumas da gaveta e tratá-los com carinho. Vamos entender o que cada um deles causa em você, mas principalmente a origem deles.

Agora, é importante respeitar seu tempo e tratá-los na medida em que você vai fortalecendo sua autoconfiança, como o caso da cliente que citei anteriormente.

 

4.   Conhecendo suas sombras

Você já ouviu falar nas sombras? São nossos lados oprimidos que podem causar mal aos outros ou a nós mesmos. Como quando nos sabotamos, somos tóxicos, procrastinamos, etc.

Ao invés de ignorar nossas sombras, precisamos dar lhes luz, pois querem nos dizer algo. E podem inclusive ser aliadas na nossa busca por enfrentar os gatilhos emocionais negativos.

 

5.   Ressignificando suas crenças limitantes

Além disso, não podemos continuar acreditando nas mentiras que foram criadas em nossas crenças. Há sim homens que prestam, você tem direito de ser feliz e ter sucesso. E quem sabe usar o dinheiro com inteligência consegue proporcionar felicidade a sua família.

Para isso, vamos girar o outro lado da crença e transformá-las em  combustível, e não âncoras em nossas jornadas. A chave para isso é: ressignificar as crenças limitantes!

 

6.   Racionalizar sobre os gatilhos mentais

Como vimos, os gatilhos são precedidos por sintomas físicos, é como quando sentimos o cheiro de uma comida antes de a vermos de verdade.

Isso é algo positivo, pois ao sentir uma palpitação ou respiração ofegante, ao invés de perder o controle, você pode pensar: por que estou sentindo isso? O que pode estar causando isso? Vou deixar esse gatilho tomar conta de mim ou tentar aprender com ele?

 

7.   Criando hábitos novos

Não se muda com velhos hábitos! Se você continuar fazendo as mesmas coisas continuará a receber os mesmo resultados.

O segredo de novos hábitos é a repetição, repetição repetição…

 

Você pode conseguir tudo que quiser, precisamos apenas encontrar os recursos para permitir que você faça o que desejar com a sua vida. 

Por meio da Hipnose clínica e outras técnicas terapêuticas ajudo você de forma científica, rápida, segura e natural a superar limitações, finalmente se sentir bem consigo mesmo e conquistar o que desejar.

Seja bem vindo ao mundo da neurociência e de tratamentos mais eficazes e rápidos.

Quer saber mais sobre a hipnose? Não tenha medo, é apenas uma característica da sua mente. Leia os artigos ou entre em contato para saber mais.

Leave a Reply